Só existe um chefe: o cliente.

A competição por preço entre os players do Comércio Exterior  está cada vez mais acirrada,principalmente com o atual cenário onde o frete internacional chegou aos 4 dígitos. Navios já  estão com toda sua capacidade preenchida e há escassez de equipamento.

A consequência dessa competitividade excessiva é o péssimo hábito que importadores e/ou exportadores criam em parar de olhar o valor e focar apenas no preço, ou seja, “quem dá menos”

O cliente tem sempre razão?

Com certeza você já ouviu a frase “o cliente tem sempre razão”, no entanto quem está diariamente nas operações de importação e/ou exportação também já ouviu “classifica com essa NCM mesmo, pois tem benefício”,  logo o cliente não tem sempre razão. 

Foi no final do século XIX que administradores entenderam que o sucesso do cliente determina o sucesso da empresa e que clientes satisfeitos voltam a consumir e fazem o que até hoje é considerado o melhor tipo de marketing: boca a boca. Em 1981 nos Estados Unidos surgiram os famosos cupons de fidelização e com o passar do tempo frases como “satisfação garantida ou seu dinheiro de volta” começaram a se tornar cada dia mais comuns.
Com o passar dos anos, percebemos um fenômeno: clientes estavam dispostos a ficar em filas e pagar valores acima do mercado apenas por ser leal à marca.

Já aconselhava o milionário Harry Gordon Selfridge:

“Lembre sempre que a lembrança da qualidade continua muito depois do preço ser esquecido.”

E ainda pode-se adicionar que o relacionamento também não é esquecido com facilidade.

O cliente paga o seu salário!

Michael Bergdahl é um executivo e palestrante de negócios, ele afirma que O cliente pode te despedir simplesmente ao decidir comprar em outro lugar.” Uma vez que concordamos com a frase de Bergdahl, podemos afirmar que o que temos (ou deveríamos ter) dentro das empresas são líderes que conduzem a equipe a atingir o sucesso. 

Muitas das operações de Comércio Exterior serão automatizadas em um futuro próximo, porém clientes querem continuar falando com pessoas e não com robôs. Portanto, é importante que exista conexão e relacionamento entre cliente e fornecedor.

É necessário mostrar preocupação, mostrar que sua empresa quer o melhor para esse cliente, que sua empresa é a verdadeira solução para o problema dele. É papel do líder motivar a equipe para isso, caso contrário, se a equipe for possuída por uma grande desmotivação isso será transmitido ao cliente. 

Ouça seu cliente, mostre que sua empresa realmente busca evoluir junto com ele.
A escala Likert é uma excelente estratégia para conseguir um feedback de seus clientes. Alguns agentes de carga e armadores utilizam essa estratégia na própria assinatura de e-mail “Como foi meu atendimento?” e ainda oferecem 5 alternativas para o cliente escolher (ótimo, bom, não posso opinar, regular ou péssimo).

Não seja pego no meio!

As empresas precisam encontrar o que é chamado por Michael Porter de Vantagem Competitiva – algo que destaca a empresa da concorrência. 

Na insana economia que vivemos hoje, percebemos que quanto maior a competitividade do ambiente, mais dificuldade as empresas têm em encontrar o diferencial competitivo.

Pior do que não ter o melhor preço para oferecer para seu cliente, é ficar no meio.  Mas o que é ficar no meio?

Ficar no meio é não ter o melhor preço, tampouco o melhor produto/serviço, dessa forma sendo facilmente esquecido pelo mercado. 
O cliente ou “chefe fora da empresa” pede que você tenha eficiência com baixo custo, criatividade na resolução dos problemas, inovação e, é lógico, um serviço de qualidade. Afinal, é ele quem está pagando seu salário no final do mês.

Este artigo foi inspirado no Livro dos Negócios – As grandes ideias de todos os tempos.

Você também vai gostar de ler: O que faz seu cliente ser fiel a sua empresa?

Achou esse conteúdo interessante? Deixe um comentário em nossas redes sociais e compartilhe para chegar em mais profissionais da área.

Nos siga em nossas redes sociais!

Artigo escrito por Kauana Benthien A. Pacheco

Kauana é formada em Negócios Internacionais e cursa pós-graduação em Big Data & Market Intelligence. É fundadora da primeira agência de marketing focada em Comércio Exterior, a ComexLand.

2 comentários em “Só existe um chefe: o cliente.”

    1. Obrigado Alex, ficamos felizes que tenha gostado.
      Compartilhe com seus amigos, para que mais conteúdos assim, sejam publicados.
      Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *