Para entregar valor ao cliente, primeiramente é necessário conhecê-lo. Seja no mercado nacional ou internacional é papel das empresas de Comércio Exterior conhecer seu público, sua cultura, costumes e principais problemas que enfrentam. 

Com as medidas de proteção ao Coronavírus diversas empresas tiveram que mudar suas estratégias de marketing e adaptar seus métodos de venda, de abordagem, de comunicação e algumas vezes até o produto de acordo com as necessidades daquele público.

Em um passado não distante, o comercial de uma empresa era responsável por ligar para possíveis clientes e tentar agendar uma visita comercial com o intuito de ambas as partes se conhecerem melhor e desenvolver um relacionamento entre comprador e vendedor. 

Durante a pandemia, as empresas se viram obrigadas a cancelar visitas comerciais e reuniões e implementar outras ações para prospectar clientes e encontrar novas formas de comunicação com os mesmos. 

A Intermodal, evento logístico, resistiu para adiar o evento, porém teve que ser adiada mesmo assim e como estratégia está promovendo conteúdo e se comunicando com os players da área de forma online, assim como a Logistique, feira no sul do Brasil, onde ocorre conferências e negócios multimodais. A Canton Fair, feira de negociações chinesa de maior escala, optou por trazer uma grande inovação em 2020, uma feira online.

Através dos exemplos expostos acima, é possível notar que o marketing não parou, e sim mudou, o que era realizado presencialmente, agora é realizado de forma online e essa é uma tendência a longo prazo. 

Como fazer marketing em tempos de pandemia?

Nesse delicado momento em que estamos enfrentando a presença social da marca é muito importante para a empresa voltar ainda mais forte pós pandemia.

Mídias sociais

Segundo estudos, 95% dos adultos procura marcas na internet, dessa forma, as redes sociais se tornam uma grande oportunidade para a marca gerar autoridade e expor conteúdo relevante a clientes e ainda podendo gerar novos leads.

O que é lead? Lead é algo que teve contato com a marca e pode se tornar um possível consumidor.

As redes sociais também ajudam a monitorar seus concorrentes. O que eles estão postando? O que eles inovaram? Quais são as rotas e transit time ofertados?

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo é uma boa forma de aproximação com seu cliente. Empresas de Comércio Exterior podem aproveitar a constante ânsia por informação da área e entregar aos clientes notícias, cotações, rastreio, oportunidades e conhecimentos que podem fazer o cliente reduzir custos e aumentar seu lucro.

União entre a concorrência faz as empresas mais fortes

O termo economia colaborativa é cada vez mais comum entre as empresas brasileiras. Diversas companhias perceberam que se unindo com seus concorrentes se tornaram ainda mais fortes, como é o caso das operadoras de telecomunicação que se juntaram durante a pandemia.

Outro exemplo é a união das montadoras como Toyota, Mercedes, GM, Bosch e outras empresas do setor para a produção de respiradores.

“Sabemos da importância de nos unirmos neste momento para combater o novo coronavírus, visando o bem-estar da sociedade na qual estamos inseridos. Essa foi mais uma maneira que encontramos de colaborar neste momento em que a demanda global por este tipo de equipamento aumentou consideravelmente” –  diretor de assuntos regulatórios e governamentais da Toyota do Brasil, Roberto Braun.

Não basta falar. Tem que fazer!

Algumas vezes o exagero das marcas em fazer parte da comunidade pode demonstrar falsidade, e muitos consumidores já cansaram de frases como “Estamos juntos com você nesse momento”.

A Magazine Luíza percebeu que as agressões às mulheres na quarentena aumentou consideravelmente e como seu público é feminino, criou um botão em seu aplicativo que prometia uma denúncia automática e discreta. Porém, não demorou muito para a campanha ser criticada, pois o botão iria automaticamente para o discador do celular com o número 180, onde a pessoa deveria denunciar a agressão.  

Nesse momento é uma ótima oportunidade para as empresas realizarem serviços sociais. Mesmo com baixo investimento, é possível implementar estratégias, como a divulgação para arrecadação de alimentos e roupas a comunidades carentes.

Há também diversos fornecedores no mundo doando materiais de combate ao Coronavírus para o Brasil, sua empresa pode ajudar, encontrando instituições para doação, doando valores para o custo de transporte ou até mesmo desafiar outras empresas a ajudar.

Funcionários podem ser embaixadores, mas também podem ser haters.

Os funcionários de uma empresa podem ser embaixadores e indicar e divulgar positivamente a empresa em que trabalha. Ou um hater e fazer um deserviço ao marketing da empresa. Portanto, é essencial desenvolver um bom relacionamento com os colaboradores e desenvolver o endomarketing.

Durante a pandemia, muitos profissionais estão sofrendo ansiedade por desconhecer o cenário futuro ou perdidos no Home Office por desconhecer a rotina em casa. A  comunicação com os colaboradores se torna essencial e garante o bem estar, a organização e a continuidade da produção.

Conclusão

Mesmo com baixo orçamento de muitas empresas nesse momento de pandemia, o marketing não pode ser esquecido e sim adaptado. Para a empresa adquirir força e autoridade no mercado sua presença deve existir em momentos bons, mas também em momentos complicados e sempre visando criar um relacionamento com todos os stakeholders (cliente, fornecedor, acionistas, governo e colaboradores).

Não se esqueça de compartilhar com mais profissionais!

Nos siga em nossas redes sociais!

Artigo escrito por Kauana Benthien A. Pacheco

Kauana tem seis anos de experiência no comex, é formada em Negócios Internacionais e cursa pós-graduação em Big Data & Market Intelligence. É criadora da página de conteúdo sobre comércio exterior, a  ComexLand, onde escreve sobre Economia Global e Comércio Internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *