As exportações que se destacaram durante a pandemia.

No meio de uma pandemia, da guerra do petróleo, da queda no valor das commodities, da desvalorização do real e das secas em diversos estados brasileiros, o agronegócio se manteve forte e foi o protagonista das exportações brasileiras, batendo recordes e garantindo para o primeiro trimestre quase 18 milhões de empregos no país.

Segundo o Instituto Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), mesmo com todos os desafios, o setor agropecuário ainda pode crescer 2,5% em 2020 – isso se o país continuar seguindo as projeções de safra anunciadas pelo IBGE. 

Os produtos agropecuários registraram um aumento de 7% em suas exportações entre janeiro e abril deste ano, e neste artigo serão listados os principais produtos que se destacaram nesse período e que estão ajudando o Comércio Exterior brasileiro e, consequentemente, a economia neste momento complicado. 

Soja

Segundo os dados da Secretaria de Comércio Exterior, nas primeiras três semanas de maio o Brasil exportou mais soja do que o total de maio em 2019. Em abril, o aumento na exportação de soja chegou a 65,2% .

Os principais compradores foram China, Holanda, Espanha e Turquia e os estados responsáveis pela produção e exportação da soja ao exterior foram: Mato Grosso, Paraná, Goiás, São Paulo e Rio Grande do Sul.

De janeiro a abril a China importou US$8,4 bilhões, representando 73,4% de toda soja exportada e um aumento de 26,6% comparado ao mesmo período de 2019.

Carne Bovina

A carne bovina bateu diversos recordes de exportação neste ano. Em abril houve um aumento na exportação de 19,2% de carne bovina, comparado ao mesmo mês do ano passado. Mais uma vez a China segue na frente como destino das exportações brasileiras, seguida por Hong Kong, Chile, Egito, Rússia e Arábia Saudita. 

No gráfico abaixo pode-se analisar a separação por regiões, em que vermelho representa a Ásia, verde o Oriente Médio, roxo a América do Sul, azul a Europa e amarelo a África, cinza representa a américa central, laranja a Oceania e azul escuro a América do Norte. 

Os números representam a participação de cada país nas exportações brasileiras.

A Tailândia abriu seu mercado e aprovou cinco frigoríficos brasileiros aptos a realizar operações de exportação; seu potencial é de US$100 milhões, de modo que os números acima tendem a aumentar. As plantas aprovadas concentram-se nos seguintes estados: Pará, Rondônia, Goiás e Mato Grosso do Sul.  

Carne Suína

A carne suína registrou igualmente marcas históricas, no mês de abril houve um aumento de 33,8% nas exportações. Acredita-se que  estes valores tendem a aumentar em razão da pandemia, uma vez que os Estados Unidos tem sofrido problemas sanitários e precisando , sacrificar seus suínos em decorrência do fechamento de seus frigoríficos. 

Minério de Ferro

Os principais estados que exportam minério de ferro e seus concentrados são Pará, Minas Gerais, Espírito Santo, Maranhão e Rio de Janeiro. Em abril, as exportações deste bem aumentaram 42,9% comparado ao mesmo mês de 2019.

A China mais uma vez é o principal comprador de minério de ferro, ela utiliza essa matéria prima para transformar em aço e revender ao Brasil e outros países com alto valor agregado.

Algodão (bruto)

O algodão em bruto está em terceiro lugar nas exportações do setor agropecuário, e bateu o recorde de exportações mesmo durante a pandemia. Em janeiro houve um aumento de 144,4 % comparado ao mesmo período de 2019.

Os principais estados exportadores de algodão são: Mato Grosso, Bahia, São Paulo, Goiás e Minas Gerais.

Os principais importadores são China, Vietnã, Paquistão, Bangladesh, Turquia, Indonésia e Malásia, que utilizam o algodão para produzir tecidos como roupas e lençóis e depois vendem nacional e internacionalmente. 

Tabaco (bruto)

Tabaco em bruto representa o 15° lugar das exportações agro no Brasil, neste caso o principal destino é a Indonésia, país em que 34% da população afirmaram ser fumantes, tido como principal consumidor de tabaco do mundo. Alemanha, Bélgica, República Dominicana, Nicarágua, Honduras e África do Sul vêm atrás, conforme sugere o gráfico abaixo: 

Açúcar

O Brasil é o maior produtor de açúcar do mundo, a exportação dessa commodity e melaços aumentou em todos os meses desde janeiro até abril, o principal país importador desse bem é Bangladesh, conforme indica o gráfico abaixo:

Comparando os meses de janeiro até abril de 2019 e 2020, o que chama a atenção é o aumento das importações de Bangladesh que variaram 80,1%. 

No mês de maio o porto de Santos registrou filas de navios sendo carregados ou aguardando para serem carregados com a referida matéria prima.

Conclusão

Diante dos fatos mencionados percebe-se a alta dependência que o Brasil tem da China, que é o maior mercado consumidor de commodities brasileiras, de acordo com o Ministério da Agricultura. A China importou do agro brasileiro o triplo do importado pelos Estados Unidos e o dobro do demandado pela União Europeia.  

Em diversos casos também foi possível perceber que o Brasil vende produtos com baixo valor agregado e depois compra produtos que utilizam estes bens exportados, com alto valor agregado.

Fontes:
  • Ferramenta ComexStat do Ministério da Indústria Comércio Exterior e Serviços;
  • Euromonitor;
  • Bloomberg.

Não se esqueça de compartilhar com mais profissionais!

Nos siga em nossas redes sociais!

Artigo escrito por Kauana Benthien A. Pacheco

Kauana tem seis anos de experiência no comex, é formada em Negócios Internacionais e cursa pós-graduação em Big Data & Market Intelligence. É criadora da página de conteúdo sobre comércio exterior, a  ComexLand, onde escreve sobre Economia Global e Comércio Internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *