As 3 fases para a tomada de decisão no comércio exterior.

Nos últimos artigos foi abordado a importância da redução de custos e diversificação de mercado para as empresas e profissionais de comércio exterior, no cenário atual brasileiro. A implementação dessas estratégias demanda uma decisão assertiva, pois envolve diversos fatores em uma operação. 

A tomada de decisão deve ser realizada a partir de dados organizados que se tornam informações, que quando interpretadas se transformam em conhecimento estratégico, assim podendo gerar uma ação. Neste artigo abordaremos como realizar a tomada de decisão no comércio exterior, em 3 fases.

1- Planejamento e definição de objetivos:

A primeira etapa é a identificação das necessidades e definição dos principais objetivos da empresa, seja para gestão de equipe, criação de procedimentos, inovação, mitigar riscos, reduzir erros, implementar ações, reduzir custos, prospectar novos clientes, diversificação de mercado, etc.

Os principais objetivos, prazos e informações demandadas para isso, devem ser decididos entre os cargos de gerência da empresa, (ou SCRUM Master, se houver aplicação desse framework na empresa), é considerável que os responsáveis pelo planejamento e definição de objetivos motivem a equipe para colaborar nas próximas fases.

2- Coleta, organização e tratamento dos dados:

A execução da segunda fase para a ação e/ou tomada de decisão, depende da colaboração de todos os integrantes de diferentes setores. 

No dia a dia de comércio exterior, cada departamento recebe diferentes dados e informações que serão relevantes para o processo, e que em hipótese alguma devem ser ignoradas, por esse motivo, é primordial a integração entre todos os setores. A tecnologia é uma grande aliada para a transmissão de dados, peculiaridades e informações sendo indispensável a presença dela para aplicar qualquer projeto logístico.

Os dados sobre embarques devem ser coletados e organizados para futuramente se transformarem em informação.

Leia: A importância do Big Data no comércio exterior.

Sugestões de dados a serem coletados:

  • Média de embarques mensais;
  • Principais rotas;
  • Tempo de trânsito médio em determinada rota;
  • Custo de aquisição de cliente e comissões;
  • Custos fixos e negociados com companhias de transporte, NVOCC e terminais alfandegados;
  • Acuracidade da emissão das documentações, retificações e responsabilidades;
  • Tempo médio de liberação por NCM;
  • Lucros e prejuízos;
  • Custo operacional total;
  • Análise cambial;
  • Lead time.

Após a coleta dos dados, deve ser decidido o tipo de tratamento que será dado à informação para armazenamento, o ideal é realizar a emissão de relatórios para trazer visibilidade aos integrantes do projeto.

3- Analisar, disseminar e aplicar:

Nesta fase analistas e especialistas devem transformar informações coletadas ao longo dos processos em hipóteses para validação. Após a análise a informação deve ser entregue, no melhor formato, ao tomador de decisão.

Deve existir a avaliação constante, durante e após a tomada de decisão para verificar se podem existir melhorias ou se a ação já satisfez as expectativas da corporação e seus stakeholders.

Agora é com você, leitor. Compartilhe esse artigo para chegar em mais profissionais.

Artigo escrito por Kauana Benthien A. Pacheco

Kauana tem seis anos de experiência no comex, é formada em Negócios Internacionais e cursa pós graduação em Big Data & Market Intelligence. É criadora da página de conteúdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *