Como o Design Thinking pode ajudar agentes de carga a otimizarem seu serviço.

No último artigo foi abordado 3 dicas para não errar no conhecimento de embarque marítimo e aéreo, as principais dicas foram: Conhecer o planejamento logístico, conhecer o propósito de cada campo na documentação e a comunicação entre as partes. 

É necessário conhecer e aplicar de forma criativa novas estratégias, não apenas para não errar no conhecimento de embarque, mas também para a gestão de risco de todo o processo na operação de importação ou exportação. 

O Design thinking é um método prático-criativo de solução de questões, com o objetivo de alcançar um resultado futuro, sempre trazendo inovação para dentro da empresa,  essa “forma de pensar” nasceu na engenharia, porém foi adaptada para a administração.  

O processo de Design Thinking ajuda empresas a melhorar o serviço e também encontrar estratégias para otimizar operações. Esse artigo irá abordar como esse framework pode ser aplicado por players do comércio exterior, ele se dá nas seguintes etapas:

1- Imersão e Análise

Nessa etapa a equipe deve se reunir para conhecer o problema, juntando diversos pontos de vista, portanto é necessário a comunicação, entre os setores, pesquisas com os clientes e reunião com fornecedores e especialistas da área. 

Deve-se mapear tudo o que pode ocorrer de errado em uma operação desde sua origem até o destino, como: Perda de deadline, atrasos na reserva, detention ou demurrage e parametrização. 

Na análise é de extrema importância coletar e saber interpretar dados do embarque de importação ou exportação, como o transit time, todas as taxas ao longo do processo, todas as documentações que serão necessárias e possíveis legislações.

2- Ideação

Na fase de ideação é importante que todos da equipe, baseados na etapa anterior, discutam sobre maneiras de como otimizar a operação e pontuar possíveis problemas que podem ocorrer em toda a operação, dessa forma realizando a criação do planejamento de gestão de risco.

O risco pode acontecer de fatores que podemos evitar internamente, como: emissão correta das documentações, pesquisa e análise de mercado, conhecer tratamentos para diferentes mercadorias.  

Mas também podem se dar através de adversidades que são situações que podem ocorrer, porém são não esperadas. Podem ocorrer de diferentes formas,por exemplo, climática, econômica e infraestrutura.

“A adversidade tem o efeito de atrair a força e as qualidades de um homem que as teria adormecido na sua ausência.” – Heredóto (filósofo)

Para cada empecilho futuro que pode acontecer, a equipe deve encontrar o maior número de soluções, que sejam criativas, diversificadas, inovadoras e com o mínimo de consequências possível. 

3- Prototipação e Desenvolvimento

A prototipação aplicada para agentes de carga é criar um modelo de previsibilidade, que seja possível administrar possíveis barreiras que possam prejudicar o relacionamento com o cliente. 

A partir do protótipo deve-se realizar testes em embarques recorrentes, indo do mais simples para o mais complexo. É o momento em que ideias saem do papel e se transformam em algo real, é onde é validado todo o planejamento realizado até essa etapa.

Assim que for validado através de testes, deve haver sempre melhoria do planejamento e cada vez mais aprimorar o Design Thinking.

Conclui-se que o Design Thinking é a combinação do Mindset com o plano de ação. Pode melhorar consideravelmente processos, operações e estratégias que empresas da área de comércio exterior possam ter. Para que esse planejamento se conclua com sucesso, é necessário que a equipe busque mais opções possíveis para tudo o que possa ocorrer nas operações, de forma que seja possível prever e estar preparado para qualquer situação.

Artigo escrito por Kauana Benthien A. Pacheco

Criadora da página de conteúdo de comércio exterior, ComexLand, Kauana tem seis anos de experiência no comex, é formada em Negócios Internacionais e cursa pós graduação em Big Data & Market Intelligence

1 comentário em “Como o Design Thinking pode ajudar agentes de carga a otimizarem seu serviço.”

  1. Pingback: Como o Brasil pode diversificar seu mercado - UXComex

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *